Blog, Ferramentas, Google Analytics,

Google Analytics: As principais métricas e fontes para entender o tráfego do seu site

Por Jean Vidal em 17 de fevereiro de 2016
As principais métricas de Visitantes de um site no Google Analytics, o que são cada uma das fontes e como interpretar os dados!
Leitura de 6 minutos
Google Analytics: As principais métricas e fontes para entender o tráfego do seu site
5 (100%) 7 votes

O Google Analytics nos permite configurar e obter excelentes relatórios. Porém, se não sabemos o que essas estatísticas e gráficos significam exatamente, estaremos fazendo um esforço inútil.

No artigo anterior sobre o Google Analytics falamos um pouco sobre o que é esta ferramenta, suas áreas mais importantes e quais são os principais recursos oferecidos por essa.

Hoje, vamos conhecer melhor as principais métricas e também entender o que é cada uma das fontes de aquisição de tráfego que trazem dados frequentemente acessados por administradores de sites dentro da plataforma. Confira!

Quais são as métricas principais para entender seus visitantes no Google Analytics?

Uma vez que você fizer a instalação do Google Analytics no seu site, você pode usar o GA, para entender o comportamento dos visitantes, principalmente na aba Público-Alvo > Visão Geral e é importante ficar atento e compreender as informações repassadas ali.

Aba Público Alvo Google Analytics - 2

Sessão: este dado representa o total de visitas recebidas pelo website no período em questão, que por configuração padrão é dos últimos 30 dias.

Aqui você vê a variação do seu público, quantos usuários estão entrando no site e também o tráfego total que está sendo obtido. Esta métrica é de grande relevância para saber o número de pessoas que estão sendo alcançadas e o quanto seu conteúdo está sendo visualizado.

Usuários: Também chamado de “visitantes únicos”, é a quantidade de pessoas que visitaram seu site Independente de quantas vezes durante o período selecionado.

Para entender melhor vamos exemplificar: um usuário acessou seu site somente uma vez ontem e uma vez hoje, ele é considerado um visitante único nos dois dias. No entanto, ao avaliar o relatório mensal, esta será uma visita recorrente. Este número deve ser acompanhado pois mostra a você como anda a fidelidade do seu público. Afinal, novas visitas são importantes mas devemos trabalhar para que elas estejam sempre voltando.

Taxa de Rejeição: Também chamada de “Bounce Rate”, essa métrica representa a porcentagem de pessoas que deixam seu site, sem interagir com ele, após visitarem apenas uma página. Números altos aqui são comuns, especialmente para blogs. Os usuários chegam através de um anúncio ou promoção de post, por exemplo, fazem a leitura e depois vão embora. Logicamente, deve-se sempre estar tentando baixar esse número, prendendo a atenção dos usuários e os levando a novos conteúdos.

Páginas por sessão: esse dado é a média do número de páginas que um usuário visita dentro do seu site e deve ser acompanhado juntamente com a Bounce Rate. Uma boa prática para alcançar números melhores nessa métrica e também ter uma taxa de rejeição mais baixa é incluir Calls-to-action (chamadas) que levam o usuário a outras páginas.

Duração média da sessão: é o tempo que um visitante passa em seu site. Digamos que um blog com alta taxa de rejeição, por exemplo, pode ter essa métrica de duração mais alta se possuir posts completos e longos, com informações que interessem ao leitor e, possivelmente, faça-o engajar em busca de mais conteúdo.

As fontes de “Aquisição de Tráfego” no Google Analytics

Número de visitas ou de páginas visitadas não são os únicos dados que o Analytics pode oferecer a você. Existem outros relatórios muito úteis para uma análise completa do desempenho do seu site, e um deles é o relatório de fontes de aquisição. Aqui, você saberá quais canais estão gerando melhores resultados e o Google Analytics tem uma opção justamente para isso.

Aquisição Visão Geral Google Analytics

Busca orgânica: Pessoas que chegaram até o seu conteúdo através de buscas por termos feitas em mecanismos de busca, como o Google.

Busca paga: As pessoas que encontram seu website depois de clicarem em um anúncio seu em motores de busca, URL’s marcadas como pagas (como em campanhas) ou então no AdSense. Caso suas campanhas no Google Adwords, por exemplo, estejam funcionando, seus resultados serão mostrados nessa aba.

Email: O uso de newsletters e emails marketing é uma das melhores práticas para se divulgar conteúdos. Nesta fonte, todas as visitas que você conseguir por meio dessas ações serão registradas e você poderá fazer testes de maneira a descobrir as opções que geram mais resultado.

Social: São as visitas recebidas por meio de publicações ou anúncios em mídias sociais, como Facebook, Twitter, LinkedIn, etc. Assim, é possível descobrir quais redes sociais estão conseguindo resultados mais satisfatórios e em quais é necessário focar mais os esforços e aumentar o investimento.

Direta: Quando um usuário digita a URL do seu site no campo de endereço do navegador, ele é computado como um visitante que chegou por busca direta. Assim, se alguém digita conexorama.com no navegador, este usuário será registrado em nosso relatório como um visitante direto.

Referências: Usuários que encontram seu site através de outro site (que não seja um mecanismo de busca, ou rede social.) são considerados referências. Para entender melhor, podemos dar o exemplo de uma empresa que foi mencionada em uma reportagem digital. O site da empresa é citado, juntamente com um link para o mesmo. Todos os usuários que clicarem em tal link contarão como Referência (ou Referral) no relatório do Google Analytics.

Conversões/conclusão de meta: Uma métrica importante que deve ser considerada por qualquer um que estabeleça objetivos de marketing digital, as conversões medem uma ação que você deseja que um visitante realize em seu site. Por exemplo: visitar uma página específica, fazer download de um eBook, executar um vídeo, permanecer mais que um número x de tempo em uma página.

O que vai ser medido pelas conversões deve ser configurado pelo analista na guia metas da vista de propriedades. A configuração pode ser simples como apenas inserir  endereço de uma página ou mais complexa, como o acionamento de um evento html. Nesse último caso, conhecimentos prévios de programação ou a ajuda de um programador é bem vinda.

Esse conjunto de métricas é composto pelo número de metas, porcentagem de conclusão de metas e valor da meta. Esta é mais usada para e-commerce, pois ajuda a trabalhar com o valor brute de vendas online, mas também pode receber configurações personalizadas para calcular o peso de conversões com valores diferentes, como o download de materiais como topo, meio e fundo de funil.

Além destas métricas e informações, o Google Analytics ainda oferece muitos outros recursos para você aproveitar, evoluir o desempenho do seu site e, consequentemente, fazer mais negócios e ter mais sucesso. Abordaremos mais temas referentes à plataforma do Google Analytics em artigos futuros, portanto esteja sempre acompanhando nosso blog!

Esperamos que tenha gostado do artigo e que tenha sido útil. Comente abaixo o que você achou e, se quiser, compartilhe o post!

Você gostou do nosso artigo? Compartilhe nas Redes Sociais!

Jean Vidal

Jean Vidal

CEO e Growth Hacker em Conexorama
Atuo há mais de 14 anos com Marketing Digital, tendo participado do nascimento da Resultados Digitais. Tenho experiências como Gerente de Ecommerce e participei diretamente na implantação de mais de 100 projetos de Inbound Marketing.
Jean Vidal