Blog, Email Marketing,

9 hábitos de E-mail Marketing que valem a pena quebrar

Por Giovanni Carus em 30 de Março de 2018
E-mail Marketing é uma rotina que tem várias práticas ideais. Mas é positivo sair da caixa e experimentar outras opções. Saiba que hábitos você pode quebrar!
Leitura de 7 minutos
9 hábitos de E-mail Marketing que valem a pena quebrar
5 (100%) 3 votes

Antes de fugir de qualquer hábito na produção de E-mail Marketing, é importante entender antes porque eles dão certo.

Assim que você tiver dominado o básico da criação de e-mails, você vai estar numa posição melhor para experimentar e testar certos componentes de sua estratégia.

No panorama ultra-competitivo em que estamos inseridos, é preciso testar sempre para encontrar o que faz seus destinatários abrirem, lerem e clicarem.

Enquanto o conteúdo certo e o design são indispensáveis para o sucesso do e-mail, esses testes vão ajudar você a compreender como se destacar nas caixas de entrada de seus leitores.

E para saber o que testar, é bom revisar suas estratégias atuais e considerar que hábitos de e-mail são adequados para alterar ou até mesmo deixar de lado.

Vamos explorar os hábitos mais superestimados em E-mail Marketing, que você pode começar a quebrar e experimentar para encontrar a melhor abordagem para sua empresa. Boa leitura!

1. Sempre o mesmo nome de remetente

Como quebrar: Ser amigo do campo “De”

Naturalmente, é útil afinar as expectativas com seus destinatários. Mas não se limite a mandar mensagem com o nome de sua empresa ou de um membro do time. Experimentar com “nomes amigáveis” pode aumentar a taxa de abertura. Por exemplo, ao invés de mandar um e-mail com o nome de sua empresa, tente com o nome de um colaborador, como “Giovanni da Conexorama”.

Mas antes de sair mudando seu nome a cada e-mail, verifique se o contato vai reconhecer de onde esse e-mail veio. O risco de virar SPAM aumenta consideravelmente se ele não souber quem é você.

2. O assunto é tratado muito literalmente

Como quebrar: Escreva um copy criativo

Seus clientes passam o dia recebendo e-mails. Isso significa que o assunto é o fator mais importante para abrir sua mensagem.

Mas o que pega a atenção deles? Emojis? Humor? Espaços em branco? Personalização? Texto em caps-lock?

Isso, como você pode deduzir, varia de pessoa para pessoa. E de persona para persona.

Para atrair a atenção de alguém passeando pelas mensagens não-lidas, é mais importante considerar como o assunto aparece entre os outros, visualmente.

O texto do assunto deve refletir o conteúdo da mensagem, combinando com o tom e o estilo de sua empresa. No entanto, é importante usar esse espaço com o máximo de criatividade. Se o copy for criativo e deixar claro o assunto do e-mail nos primeiros 30 caracteres, pode ser que você atraia mais cliques do que um assunto vago e curto. Teste hipóteses com seu público e procure saber o que atrai sua atenção.

3. Seu preheader é automático

Como quebrar: use aquele latifúndio de espaço de texto

O seu RD Station permite que você use o texto de preview, chamado de preheader. Deixar que esse texto seja autopreenchido é jogar pela janela uma oportunidade de atrair e encantar remetentes.

Você pode colocá-lo com um código simples, mas o uso desse espaço vai destacá-lo na multidão, já que a maioria não vai tão longe para fazer um e-mail único.

Coloque textos inteligentes, que se relacionam com o e-mail, ou tente usar poucas palavras para liberar mais espaço em branco.

4. Seu copy é tão profissional que é um porre

Como quebrar: desenvolva um tom distinto de voz.

O tom de voz da sua empresa pode ser um dos maiores diferenciais. Seja por um estilo próprio de humor ou para soar o mais acadêmico possível, uma voz bem formada ajuda os leitores a se conectar com sua organização num nível humano.

Em tempos onde o avanço tecnológico nos faz olhar para trás e lembrar dos momentos onde éramos mais “próximos”, empresas acabam lutando para crescer e manter a “humanidade” de uma loja familiar.

Seu tom pode colaborar nessa luta. A resposta é: tenha personalidade.

Quando você aborda essa comunicação sob essa lente, você tende a criar conteúdo que não entrega só uma mensagem, mas também cria uma conexão.

5. Seu CTA é literal demais

Como quebrar: faça um botão com texto criativo

Cada parte de seu e-mail é uma oportunidade e cada palavra deve ter uma intenção, especialmente as que pedem para seus leitores realizarem uma ação.

O consumidor de hoje está ciente desse fato. Ele sabe que você quer uma ação. Com isso em mente, você pode experimentar um copy diferente para seu CTA e usar cada “clique aqui” como uma chance de encantar.

Cores vibrantes, como o mantra do CTA já diz, sempre são úteis em destacar textos incríveis.

Quer outras dicas sobre CTAs para E-mails? Acesse este artigo!

6. Você é curto e doce

Como quebrar: experimente ser demorado

E-mails nem sempre precisam ser objetivos ou altamente visuais para dar certo.

Alguns dados apontam para ter idealmente um copy curtinho. Porém, e-mails mais longos podem trazer mais engajamento – contanto que sejam quebrados em seções, para facilitar a digestão.

E mesmo que eles não apresentem muitos componentes visuais, você pode focar em deixar seu e-mail mais fácil em um ponto. Compartilhamento.

Um e-mail fácil de ser compartilhado pode ser bem útil, o que nos leva ao próximo ponto…

7. Você está focado demais em conteúdo

Como quebrar: considere como o Design alimenta o Growth

Se o conteúdo é Rei (você nunca ouviu essa, né?), o design é Rainha.

Seu conteúdo pode ser interessante, mas se seu design não possibilita uma facilidade em compartilhar sua mensagem, você está escondendo uma história.

A melhor forma de adquirir novos clientes é encantando um deles e fornecendo os meios para que ele compartilhe seu encantamento com seus pares.

Você trabalha duro para que seu conteúdo seja incrível. Então não deixe que ele morra nas profundezas das caixas de entrada de sua clientela. Incorpore ferramentas que dê asas para seus e-mails.

8. Você usa personas para criar suposições

Como quebrar: demonstre intimidade

Como profissionais do Marketing, temos que criar suposições. Não dá pra conhecer todo mundo de nosso público, com intimidade.

Segmentar e criar personas é importante para entregar conteúdo relevante, mas os consumidores de hoje querem que você saiba tanto sobre eles, quanto eles sabem de você.

Se você não consegue demonstrar isso, você não vai alcançar expectativas.

Considere os dados que você pode compartilhar com clientes, para demonstrar uma sensação de intimidade ou ajudá-los a aprender sobre seus próprios comportamentos.

Por exemplo, o Spotify usa dados para demonstrar como eles conhecem seu público. Essas mensagens parecem ser únicas – porque são. Cada usuário recebe uma mensagem com dados personalizados e insights de suas próprias ações.

e-mail marketing spotify

9. Você fala demais sobre você

Como quebrar: mande um e-mail, porque sim

Pode ser bem fácil perder a mão nas mensagens. Afinal, seus esforços em Marketing são para conscientizar seu público sobre o valor de seu produto/serviço. Mas para se tornar uma marca que as pessoas se identificam, de uma forma significativa, você precisa mais do que só atualizá-los sobre as novidades e ofertas.

Você precisa adicionar valor às vidas dessas pessoas. Desenvolver um ritmo por conectar-se com algo não relacionado aos seus esforços de venda, mas à cultura e aos valores de sua organização.

Isso vai ajudar você a criar um grupo de seguidores, apaixonados pelo o que você é e como você os faz se sentirem, não pelo o que você está vendendo.

As melhores práticas são eleitas assim por uma razão. Mas se você não estiver regularmente experimentando opções diferentes nesse ambiente tão competitivo, seus esforços vão parecer antigos e seu crescimento vai estagnar.

Tem alguma ideia para sair do lugar-comum, sem perder qualidade? Mande pra gente!

Você gostou do nosso artigo? Compartilhe nas Redes Sociais!

Giovanni Carus

Giovanni Carus

Content Expert em Conexorama
Criador e Analista de Conteúdo, formado em Letras e escritor nas horas vagas. Aficionado por livros, gremista, toca violão e fala sozinho, às vezes.
Giovanni Carus