*Como fazemos, Blog,

Como foi o projeto da Identidade Visual no nosso Rebranding (parte 2)

Por Felipe Fox em 1 de fevereiro de 2017
Como foi o projeto da Identidade Visual no nosso Rebranding (parte 2)
5 (100%) 2 votes

Como prometido na parte 1 desse artigo, onde explico como o branding foi essencial para o nascimento da Conexorama, vamos agora apresentar para vocês as definições visuais da nossa marca, parte essencial do Rebranding pelo qual passamos e que muito nos orgulha.

Isso quer dizer que vamos passar por três pontos de contato que são extremamente cruciais para a identificação do público com a marca:
Identidade Visual, Site e Vídeo Explicativo.

O que você vai encontrar nesse artigo:

1. Identidade Visual

A identidade visual compreende todos os elementos gráficos que compõem o universo visual da marca, que vai desde a nossa marca gráfica (composta por símbolo e tipografia), até as cores e grafismos de apoio. Começamos então pela marca gráfica.

Gostaríamos que a marca da Conexorama fosse forte e icônica, com um significado que remetesse aos elementos do nosso DNA. Com isso, demos preferência por uma marca composta por símbolo + tipografia, onde o símbolo deveria estar separado do nome, porém, integrado à marca gráfica com equilíbrio.

Tipografia

Buscamos uma tipografia com um peso moderado, mas que tivesse boa visibilidade na redução e fácil legibilidade. Apesar de fazer adaptações em algumas letras, tomou-se um cuidado grande para que a leitura da palavra não fosse prejudicada, visto que o nome da empresa se trata de uma palavra nova que muitos vão ter seu primeiro contato ali, na marca gráfica.

A fonte do nome “Conexorama” foi adaptada a partir da fonte Linotte-Bold. Já a fonte utilizada na tagline “Fábrica Digital”, foi a Capriola. Utilizamos a fonte Texta Narrow, e algumas de suas variações, para os textos impressos e demais peças gráficas.

Símbolo

Buscamos desenvolver um símbolo que remetesse a alguns conceitos que vieram das etapas anteriores do Rebranding. São eles:

Com isso, depois de muito rabiscar, começamos a vislumbrar uma espécie de elo condutor entre dois pontos. Este seria o caminho para se buscar a solução visual que representaria a essência da nossa marca: conectar pessoas.

Chegamos, então, a um símbolo flexível que se caracteriza pela conexão entre dois pontos (duas pessoas). A forma gerada representa cabeças pensantes interconectadas por um único corpo condutor e elástico. A gestalt do objeto remete ao lado humano e simpático da nossa empresa, que está sempre pronta para atender os clientes com um sorriso no rosto.

Cores e Aplicações

Escolhemos quatro cores, mais o preto, para utilizarmos no Sistema de Identidade Visual da marca. Com base nisso, algumas regras de aplicação foram estipuladas. Devido à marca gráfica não possuir degradês (detalhe importante na construção de marcas), a versão negativa se comporta perfeitamente sem necessidade alguma de adaptações na forma.

Além das cores, foi criada uma aplicação vertical como uma opção secundária para a marca gráfica, que deverá ser utilizada somente em casos necessários, quando a versão horizontal ficar muito pequena e perder a legibilidade.

Estilo e Ilustrações

Durante o processo de busca por referências para a identidade visual como um todo, identificamos o estilo de “outlines” como um caminho ultra versátil e replicável no quesito de desdobramentos, tanto para o símbolo e ícones como para ilustrações.

Um conceito que aplicamos a este estilo que escolhemos foi o da descontinuidade nas linhas, em que elas não são necessariamente conectadas entre si, podendo inclusive ter “falhas” no meio delas. Isso corrobora com duas regras da Gestalt: Continuidade e Fechamento. Sendo assim, o observador é capaz de identificar os elementos por conta da sua forma, mesmo que esteja faltando pedaços.

Após definidos os parâmetros que norteariam a criação dos elementos do Sistema de Identidade Visual, tínhamos por objetivo criar um estilo de personagens que pudessem ser interlocutores da marca quando necessário. Ou mesmo que fossem alegorias para ilustrar ideias em nossas peças de comunicação e layouts de forma geral.

Foi aí que pensamos em dar vida e características aos “conectados” do nosso símbolo (lembra deles?). Para isso, buscamos inserir detalhes humanos para caracterizar personalidades variadas a personagens que estariam sempre presentes na nossa comunicação. Então, a partir daquele círculo do nosso símbolo inicial, mais o início de uma espécie de tronco, criamos um estilo de personagens carismáticos que podem agora ser criados com base nos parâmetros antes apresentados.

Outro ponto importante é que, em alguns momentos, os personagens devem aparecer coloridos, não só em outline. Para estas situações, definimos um tipo de preenchimento sem muito rigor em preencher com perfeição cada elemento da ilustração. Em resumo, assim como as linhas, as cores se comportam de forma mais despojada, sem se preocupar em encaixar onde deveria estar encaixada.

2. Site

Iniciamos o projeto do site da Conexorama com rascunhos e, em seguida, partimos para o wireframe. Fizemos o site priorizando o mobile, visto que o maior tráfego do nosso site é de smartphones. Fiz o wireframe no novo Adobe XD, um software para prototipação e criação de layouts de interfaces digitais. Em seguida, adaptamos todo o projeto para os outros formatos.

Após aprovado o wireframe do site internamente, iniciei o layout. Um desafio e tanto, pois utilizei uma ferramenta que nunca havia utilizado, o Sketch. Constatei que esta é uma das melhores soluções do mercado para desenhar interfaces digitais.

O resultado você pode conferir simplesmente navegando por aqui mesmo.

3. Vídeo Explicativo

Desde o início do projeto, era previsto que teríamos um vídeo na home explicando a transição da empresa e seu novo posicionamento. Nosso CEO, Jean Vidal, criou um primeiro texto, em seguida fomos debatendo e lapidando para, enfim, chegar a um texto satisfatório e que cumprisse seu papel de comunicar nossa mensagem.

Como o personagem do vídeo era o próprio Jean, julgamos que seria super coerente que a locução ficasse por conta dele. Apesar de nunca ter narrado nada, depois de uma boa cervejinha, até que o trabalho rendeu bem.

As etapas seguintes da produção seguiram os mesmos padrões dos vídeos da Aurum e da TNS. Porém, sempre cuidando para manter o estilo visual que definimos lá no início do projeto de identidade visual.

Se você chegou aqui sem passar pela home do nosso site, aproveite para conferir como ficou o nosso vídeo de apresentação.


Esperamos que tenham gostado deste artigo e, principalmente, do projeto de rebranding que desenvolvemos para a nossa empresa. Foi demorado e complexo, mas o resultado já está rendendo bons frutos e um baita orgulho de todos que estiveram e estão envolvidos com a nossa nova marca.

Você gostou do nosso artigo? Compartilhe nas Redes Sociais!

Felipe Fox

Felipe Fox

Diretor Criativo em Conexorama
Designer por formação, ilustrador por ocasião e Motion Grapher por paixão. A criatividade faz parte da minha vida tanto quanto o ar que respiro. Curto cinema, séries, pedalar, tomar uma gelada, tocar trompete e levar meu mini cão Bilbo pra correr nas pracinhas de Floripa.
Felipe Fox
  • Liana

    Parabéns pelo texto e trabalho! Orgulho dessa nova marca 🙂

  • Boa, Fox!
    Sempre bom ver os bastidores de criação. Obrigado por compartilhar 🙂
    Usem mais os bonequinhos da ilustração. Ficaram muito simpáticos <3

    Abraço!

    • Felipe Fox

      Valeu, meu quirido! Usaremos sempre que possível hehe
      Abração