Blog, Inbound Sales,

O que o meu site precisa ter para ser considerado um Site Inbound?

Por Jean Vidal em 26 de julho de 2016
Pontos para ter um site Inbound, ou seja, voltado para conversão de Visitantes em Leads e Leads em Oportunidades. Entenda!
Leitura de 6 minutos
O que o meu site precisa ter para ser considerado um Site Inbound?
5 (100%) 4 votes

Você já deve ter observado, navegando pela internet, que alguns sites são bastante convidativos para baixar um material ou mais transparentes com seus conteúdos. Para esses websites, não seria errado afirmarmos que estão buscando ser um Site Inbound.

Contudo, é ainda comum haver dúvidas sobre o que necessariamente precisa ter no meu site para que ele esteja pronto para o “novo Marketing”, o Inbound Marketing.

No artigo de hoje, vamos mostrar quatro pontos principais que você deverá levar em consideração quando estiver criando (ou reformulando) o site da sua empresa, para que ele seja voltado para conversão de Visitantes em Leads e Leads em Oportunidades. Confira!

1. Demonstrar o seu Marketing de Conteúdo

Normalmente, quando falamos de Marketing de Conteúdo, ocorre uma rápida associação com ter um blog da empresa. Aliás, por ser comum essa dúvida, me permita questionar, você saberia dizer o que é um blog?

De um modo muito pessoal, podemos definir um blog como um formato de página de site, onde as últimas publicações (artigos ou “posts”) aparecem listados em ordem cronológica (do mais recente para o mais antigo). Assim, o blog não é o Marketing de Conteúdo, é o formato de página. Fazendo uma analogia, é como se fosse a garagem para o carro, mas não necessariamente o carro.

Tendo esse conceito bem compreendido, seria até “semi-correto” afirmar que um site Inbound deve ter necessariamente uma página de blog. Contudo, o conceito vai além, indo para o que realmente é o Marketing de Conteúdo.

Em um website com foco no Inbound Marketing, e tendo o Marketing de Conteúdo como base dessa metodologia de relacionamento e vendas, devemos considerar que o blog existe e é bem atualizado, mas o conteúdo é bem trabalhado em todas as páginas.

Ou seja, você ter uma página que realmente explica por que sua empresa deve ser considerada a melhor, ou uma página onde explica em detalhes um conceito, por exemplo, a página que temos sobre a Metodologia do Inbound Marketing, são formas de ir além do formato tradicional dos blogs.

2. Demonstrar seus Materiais

A grade diferença entre o Inbound Marketing e outras metodologia de Marketing Digital é o foco na geração de Leads, e para isso é utilizada a conversão de visitantes em Leads através de ofertas (diretas e/ou indiretas) em Landing Pages.

Um site Inbound trabalha justamente para que o visitante encontre essas Landing Pages. O cuidado é para que a sensação seja de que posso ir além do tradicional “formulário de orçamento”, agregando valor e evitando aquela sensação de “brochura” dos sites tradicionais.

Para entender melhor, você pode conferir uma analogia na metodologia do Inbound Marketing: o pedido de casamento no primeiro encontro. Tendo bem claro esse processo, será comum que o seu website demonstre as ofertas de conversão.

Aqui, uma página listando todos os materiais é uma excelente forma de demonstrar todas as possibilidade de conhecimento dos Materiais Ricos. Além disso, essa página gera um “fenômeno”, ou seja, algumas pessoas baixando todos (ou quase todos) os materiais existentes já nas primeiras visitas.

Mas, divulgar os materiais não deve se limitar à página de materiais educativos, você deverá listar banners ao longo do site (próximo ponto) e ainda poderá divulgar em páginas estratégicas, como a homepage, alguma chamada para um material importante.

3. Demonstrar bem cada “Chamada para Ação”

O termo “CTA” (do inglês call-to-action) é um conceito bem difundido entre os profissionais de criação de site, principalmente nas páginas que tem o foco em vendas (como e-commerces).

No processo do Inbound, esses CTAs também devem ser bem trabalhados. Considere que alguns lugares são chave, como aqui no blog, que colocamos um CTA para um material indireto no rodapé dos artigos e CTAs para ofertas diretas na barra lateral.

Muitos sites tem explorado o conceito do menu horizontal fixo no topo da página, como aqui na nossa página, e adjunto a ele adicionam um CTA que seja importante para a empresa (normalmente uma oferta direta).

Na prática, não existe uma “receita de bolo” para uma Chamada para Ação. Aqui, a criatividade aliada a um bom design, e ainda testes A/B constantes, é que farão a diferença entre um site que transforma Visitantes em Leads e um que não cumpre bem esse papel.

4. Demonstrar bem uma página “chave”

Arrisco dizer que os pontos até aqui citados são evidentes para quem é um estudante da metodologia. Contudo, trago um último ponto, que particularmente vejo que é muitas vezes esquecido até por profissionais do setor, que é ter uma página “chave”.

O conceito de página chave está ligado à uma página com foco em vendas. Por exemplo, se você é um SaaS (do inglês “Software as a Service”, ou software com um serviço), seria correto que a página mais vendedora do seu site seja a página de planos, afinal é ali que você irá falar sobre motivos, valores e como efetuar a contratação da sua solução.

Indicamos que essa página seja separada das demais, para focar a comunicação em um tom direto, sem distrações (layout “limpo”), além de ter fácil acesso, por exemplo, estando em evidencia no menu do topo.

O intuito de ter esse cuidado é para que você possa, através do seu software “all-in-one” de Marketing Digital, utilizar dois elementos avançados da metodologia, o Lead Scoring e o Lead Tracking.

O Lead Tracking é um rastreio, normalmente através de cookies, das páginas que o seu Lead navegou nas urls trakeadas do seu site. Assim, você poderá entender cada Lead, se ele está visitando o blog, ou se já começou a “namorar” sua página vendedora, inclusive avisando um vendedor instantaneamente que algum Lead oportunidade acessou determinada página, como, por exemplo, a sua página chave.

Além disso, o Lead Tracking irá alimentar com pontuação a sua configuração de Lead Scoring. Essa pontuação, que será aplicada em cada Lead, precisará passar pelo crivo de páginas mais vendedoras e outras mais educativas, aumentando as pontuações aplicadas através do foco da comunicação de cada página.

Esses são apenas alguns exemplos de cuidados para que você aumente o retorno do seu site. Como estamos falando de uma metodologia em constante evolução, é correto afirmar que veremos sempre novos formatos surgindo.

Acompanhe nosso blog para ficar sempre informado dessas novidades. Se você gostou desse artigo, compartilhe nas redes sociais. Você pode também contribuir com esse artigo deixando o seu comentário. Até a próxima!

Você gostou do nosso artigo? Compartilhe nas Redes Sociais!

Jean Vidal

Jean Vidal

CEO e Growth Hacker em Conexorama
Atuo há mais de 14 anos com Marketing Digital, tendo participado do nascimento da Resultados Digitais. Tenho experiências como Gerente de Ecommerce e participei diretamente na implantação de mais de 100 projetos de Inbound Marketing.
Jean Vidal